O que procura?

sábado, 23 de setembro de 2017

A Marta leva lancheira

Ao contrário da última semana, não vos trago nenhuma receita nova para os lanches da semana.
A heroína desta rubrica esteve doente e apenas foi dois dias à escola.
Aliado ao facto de eu ter estado mais ou menos de férias, os lanches foram muito simples.
Embora igualmente saborosos.

Na 2ªf levou um destes pãezinhos com uma fatia de fiambre, uma maça vermelha e um pacote de bebida vegetal de cacau.

Na 3ªf levou umas bolachas de arroz, que para ela são bolachas pipoca, uma clementina e um pacote de leite magro.

Na escola fornecem um pacote de leite todos os dias, mas a minha filha não gosta do leite. 
Nem mesmo o de chocolate.
Por isso leva sempre de casa. 

Poderão ver aqui, a publicação anterior com algumas sugestões.

A semana que se avizinha, não será muito diferente porque não irá à escola nos primeiros dias da semana.
No entanto, espero que já consiga comer algumas iguarias que mesmo em casa lhe preparo para o lanche. 
E desta forma ter também algumas receitas testadas e aprovadas pela princesa para as vossas crianças.

O que vão preparar para os lanches da semana?
Ou não pensam muito nisso e só decidem na altura?


sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Organizar, planear e cozinhar - Inventário do frigorifico

Desde já peço-vos desculpa por andar ausente.
Tive uma semana mais ou menos de férias e a minha filha também adoeceu.
A mudança de temperatura faz mossa em crianças mais sensíveis.

A minha semana em nada foi organizada.
Mas os meus inventários estão sempre actualizados. 
Pelo menos em papel.

Já vos falei do inventário da despensa, aqui.
E na semana passada, falei-vos do inventário de congelação, aqui.

Hoje venho falar-vos do inventário do frigorífico.

As vantagens deste inventário são, pelo menos para mim, as mesmas que referi para a despensa e para o inventário de congelação.

O facto de não haver desperdício alimentar, não comprar coisas que já existem, são de facto o que mais me agrada, neste tipo de organização.

Os legumes quando não são da horta de familiares, vou comprando durante a semana.
A mercearia onde os adquiro, compra-os dia sim, dia não, o que para mim é uma enorme vantagem.
E como é perto de casa e da escola da minha filha, não vejo necessidade de comprar grande quantidade e guarda-los no frigorífico.

Há ainda outros produtos que estão sempre presentes e que para mim são essenciais. 
Mas deixarei para publicações futuras, nesta mesma rubrica.

Também neste inventário, criei uma tabela em word.
Não a organizo por prateleiras mas por ordem alfabética, para mim faz mais sentido.

Se pretenderem os meus inventários, deixem o email, que eu envio.

Que outros temas de organização da cozinha, gostavam que eu falasse nesta rubrica?
Deixem as vossas sugestões.




quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Uns pãezinhos de leite com farinha de espelta e centeio deliciosos



Fiz estes pãezinhos com algum receio do resultado.
Mas em boa hora os fiz.
Não são nada idênticos aqueles pães de leite tradicionais, mas não são de todo menos saborosos.
Ontem falei-vos do livro, Cozinha vegetariana para bebés e crianças da Gabriela Oliveira.
Podem ver a publicação aqui.
E também disse que já tinha algumas receitas, para pôr em prática.
Mesmo eu e o meu marido estando em semana de férias, a minha filha precisa de lanche todos os dias para a escola.
Portanto, há "coisas" que não podem ser descuradas. 
Estes pãezinhos fazem-se rapidamente e é só levar ao forno.
Gosto de sugestões mais práticas para estes dias, por isso foi a cereja no topo do bolo, como se costuma dizer.

Ingredientes:

150g de Farinha de espelta
150g de Farinha de centeio
50g de Farinha de arroz integral
1 C. Café de sal
125ml de Água morna
125ml de bebida vegetal de amêndoa
10g de Fermento fresco
1 C. Sopa de azeite

- Utilizei o processador de alimentos, pois a minha Yammi foi fazer uma visita às instalações da marca, mas poderão fazer todo o processo de modo tradicional.

- Num copo, colocar a água morna e o fermento de padeiro, misturar até ficar uma mistura homogénea, deixar repousar 5 a 10min.;

- Na taça do processador, colocar as farinhas e o sal;

- Adicionar a bebida vegetal e misturar;

- Introduzir a água com o fermento, misturar até obter uma mistura grossa;

- Colocar a massa no forno, na função de levedar pão;

- Se o vosso forno não tiver, basta pré-aquecer o forno a 100º e depois desligar e colocar a massa;

- Depois da massa ter duplicado de volume, retirar do forno;

- Dividir a massa em pequenas porções;

- Colocar os pãezinhos no forno pré-aquecido a 180º durante cerca de 25 min.;

- Retirar e poderão ser consumidos imediatamente.

Adoro pães com um aspecto rústico. 
E estes ficaram mesmo como eu gosto.
Experimentem!


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Um prato com leitura - Cozinha vegetariana para bebés e crianças da Gabriela Oliveira


Já disse na publicação anterior desta rubrica, que adoro livros de cozinha.
Lei-os como se tratassem de um outro tipo qualquer de livro, como por exemplo um romance.
O primeiro livro que tive desta autora, foi o Cozinha vegetariana para quem quer ser saudável.
Também é um livro interessantíssimo. 
Mas este livro, que hoje vos sugiro é maravilhoso, tem receitas muito práticas (o outro também) e que são do agrado dos pais e das crianças.
É um pouco dentro da linha do livro que vos falei na publicação anterior, que poderão consultar aqui.
Tem excelentes dicas para os lanches dos miúdos, o que em todas as alturas é muito bom, mas agora ainda mais.
Porque muitas(os) de nós tem que enviar lanche todos os dias.
Tenho imensas receitas já marcadas, para fazer. 
Mas no fim de semana, fiz o bolo de alfarroba ou chocolate.
Eu optei por fazer a vertente de alfarroba.
Não tem açúcar refinado e a farinha de alfarroba dá-lhe aquele toque que parece mesmo de chocolate.
Foi do agrado dos miúdos e graúdos que o provaram.
Dupliquei a receita, mas fica um bolo muito grande.
Quando voltar a repetir esta receita, irei fazer apenas a receita que vos deixo, que é como consta no livro.

Ingredientes p/ o bolo:

1 + 1/2 Chávena de tâmaras secas e descaroçadas (sem o banho de glicose)
2 Chávenas de farinha de espelta ou de trigo (utilizei espelta)
3 C. Sopa de farinha de alfarroba ou de cacau crú (utilizei farinha de alfarroba)
1 C. Sopa de fermento em pó para bolos
1 C. Café de bicarbonato de sódio
1 + 1/2 Chávena de bebida vegetal (utilizei de amêndoa)
4 C. Sopa de azeite ou óleo de coco derretido (utilizei óleo de coco)
1 C. Chá de sumo de limão
1/2 C. Café de extrato de baunilha (utilizei 1 C. Café de essência de baunilha)

Ingredientes p/ o recheio e cobertura:

1 C. Sopa de amido de milho
1 C. Sopa de farinha de alfarroba
1 C. Chá de cacau cru ou 1 quadrado de chocolate preto (+ 24 meses)(utilizei cacau cru)
1 Chávena de leite vegetal (utilizei de amêndoa)

- Triturar as tâmaras, num processador de alimentos ou num robot de cozinha. Eu utilizei o processador durante alguns segundos;

- Adicionar metade da farinha de espelta e voltar a triturar;

- Passei a mistura para o copo da Yammi e adicionei a restante farinha de espelta, a farinha de alfarroba, o fermento e o bicarbonato;

- Num copo alto, coloquei a bebida vegetal, o óleo de coco, o sumo de limão e a essência de baunilha e misturei com uma vara de arames;

- Adicionar ao copo da Yammi e misturar na vel. 4 apenas para incorporar todos os ingredientes;

- Untar uma forma com óleo vegetal e polvilhar com farinha de alfarroba;

- Levar ao forno pré-aquecido a 180º, até espetar um palito no centro do bolo e este sair limpo, no meu forno demorou cerca de 40min.;

- Deixar arrefecer e desenformar;

- Enquanto o bolo arrefece, preparar o recheio e cobertura;

- Dissolver o amido, a farinha de alfarroba e o cacau num pouco de bebida vegetal, mexendo com uma vara de arames;

- Adicionar a restante bebida vegetal e levar ao lume, até que o creme engrosse;

- Mexendo ocasionalmente;

- Deitar o creme ainda quente, por cima do bolo.

Como dupliquei o bolo, dividi a massa por duas formas iguais.
Para o creme também dupliquei os ingredientes e serviu de recheio e cobertura.
Parece um bolo complicado mas não é.
Não é demasiado doce.

Conhecem este livro? Qual a vossa opinião acerca dele?

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Quem gosta de Arroz à valenciana?


Penso que esta é daquelas receitas que agrada a todos.
Porque tem marisco, lulas, frango, carne de porco e legumes.
Cá por casa costumo fazer mais vezes quando há muita gente, porque é um prato que rende imenso.
Não foi o caso desta vez.
Quando faço apenas para nós, faço maior quantidade e fico com duas refeições.
Faço a parte dos legumes, o marisco e as carnes, retiro uma parte e à outra junto arroz.
A parte que fica, depois é só fazer um acompanhamento.
Desta vez fiz esparguete.
Mas hoje trago-vos apenas o arroz à valenciana.
Utilizei estes ingredientes mas poderão utilizar o que mais gostarem e/ou o que tenham no frigorífico ou no congelador.

Ingredientes:

4 Bifanas em tiras
3 Peitos de frango em cubos
1 Lata de 8 salsichas
1 embalagem de argolas de lula da Pescanova
12 Camarões inteiros
60g de cenoura ralada
1/2 Pimento verde
1/2 Pimento vermelho
2 Tomates médios em cubos
260g de cogumelos
1 Alho francês em rodelas
1 Cebola picada
3 Dentes de alho laminados
100g de ervilhas
200ml de vinho branco
650 ml de caldo de peixe (tinha congelado)
150g de arroz vaporizado
Azeite
Sal

- Num tacho grande, colocar a cebola, o alho laminado, a cenoura, os pimentos, o tomate, os cogumelos e o alho francês, regar generosamente com azeite e temperar com sal;

- Levar ao lume, até que os legumes estejam macios;

- Adicionar 200ml de caldo de peixe caseiro descongelado;

- Acrescentar as carnes, as argolas, os camarões e as salsichas;

- Deixar cozinhar em lume brando, até que os ingredientes anteriores estejam praticamente cozinhados;

- Colocar as ervilhas, deixando-as cozinhar ligeiramente;

- Adicionar o restante caldo de peixe (450ml) e o arroz;

- Rectificar o sal;

- Quando o arroz estiver cozinhado, desligar o lume;

- Gosto de servir imediatamente, para que fique com caldo. Na fotografia não parece mas ficou com caldo.

Neste tipo de pratos, gosto de utilizar o arroz vaporizado, porque mesmo que sobre e seja aquecido, o arroz mantém os grãos inteiros. 
O que não acontece com outros tipos de arroz.
Poderão também, acrescentar polpa de tomate para que fique mais vermelhinho e não tão pálido quanto o meu.
Mas é produto que ultimamente tenho dispensado nos meus cozinhados.


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Na minha cozinha sem desperdício - Azeite aromatizado em garrafas reutilizadas


Há uns tempos, ofereceram algumas garrafas destas mas com vinho ao meu marido.
Depois de ver uma vazia, achei que deveria guardá-la para alguma coisa.
Agora tenho guardado todas!
Há imenso tempo que não tinha, porque não fazia, azeite aromatizado em casa.
E estas garrafas pareceram-me perfeitas para os azeites aromatizados.
São pequenas, escuras e vedam muito bem.
Lavei as garrafas na máquina da loiça, retirei o rótulo e estavam prontas.

- Uma coloquei dentes de alho e enchi de azeite extra virgem suave;
- Na 2ª coloquei um ramo de orégãos frescos e azeite;
- Na última coloquei folhas de louro e azeite.

Uma óptima maneira de reaproveitarmos as garrafas e termos azeite aromatizado em casa, muito mais barato e ao nosso gosto.

Porque não basta reciclar, há que reutilizar.






domingo, 17 de setembro de 2017

Produtos e utensílios à mesa - Espiralizador da Kenwood


Tenho diversos utensílios para me ajudar a fazer as refeições e um deles é este espiralizador da Kenwood.
Tive um manual, mas não se tornava nada prático.
Gosto de equipamentos eléctricos.
Acho que são muito mais fáceis de utilizar e são mais duradouros.

Este espiralizador tem três cones:

Cone de corte Pappardelle - para fazer tiras largas, como por exemplo para lasanha;
Cone de corte Linguine - para transformar os legumes em esparguete;
Cone de corte Tagliatelle - para fazer tiras mais pequenas que o primeiro cone.

Ainda não experimentei fazer "placas" de lasanha, de nenhuma das dimensões, mas tenho utilizado imenso o cone de corte para fazer esparguete.

Deixo-vos uma sugestão de salada de pepino, cenoura, tomate cherry e cebola.

É muito simples.
Basta espiralizar o pepino e a cenoura.
Cortar o tomate ao meio e a cebola em meias luas.
E temperar a gosto.
Neste caso, com azeite, vinagre e flor de sal.

Já conheciam este equipamento?

sábado, 16 de setembro de 2017

A Marta leva lancheira - Sugestões para o lanche e uma receita de bolachas

Esta é a primeira publicação desta rubrica.
Agora que começou a escola, há necessidade, pelo menos eu sinto-a, de organizar os lanches para a semana inteira.
Já era assim o ano passado, e resultou tão bem, que este ano irei proceder da mesma forma.

Irei deixar-vos algumas sugestões para que o lanche não seja apenas o tradicional pão com alguma coisa.
Eu já há algum tempo que me preocupo com este assunto.
Mesmo para os miúdos, torna-se cansativo comer sempre a mesma coisa.
A minha filha não é diferente dos outros e também diz que a colega A ou o colega B levam bolachas de chocolate, batatas fritas, entre outras coisas.
Mas eu tento explicar-lhe que essas opções não fazem parte de uma alimentação saudável.
A minha filha se levar lanches que gosta, até não reclama muito.
Daí ter dito numa outra publicação, que a minha cozinha nesta altura torna-se num laboratório.
É muito esquisita e tenho que arranjar formas de que coma bem mas que sejam do seu agrado.

A escola da minha filha, salvo erro, é o 3º ano que implementou uma ideia, que a mim me agradou imenso e que de certa forma me ajudou a conseguir que levasse opções saudáveis.
Têm uma actividade que se chama, Lanche Saudável.
Ocasionalmente, por norma uma vez por semana, a professora vê o que levam para o lanche e se for saudável, levam bolinha verde, se não for levam bolinha vermelha.
Claro, que a Marta quer levar sempre bolinha verde e como não sabe qual o dia que a professora vai ver o lanche, quer coisas diferentes.
Também já tem havido equívocos, como por exemplo, levar as bolachas da Marta e a professora pensar que eram de chocolate e marcar-lhe bolinha vermelha.
Mas claro que o diálogo resolve sempre tudo.


Recentemente vi uma receita de bolachas com apenas três ingredientes no blog da Sofia.
Decidi experimentá-las e foram um enorme sucesso.

Eu fiz estas mesmas bolachas como a Sofia as fez, por isso não vejo necessidade de publicar aqui a receita.
Se clicarem no nome da Sofia, irão directamente à receita de que vos falo.
Apenas acrescentei umas amêndoas sem pele e inteiras, por cima das bolachas, antes de as levar ao forno.
Experimentem-nas, são deliciosas e muito fáceis de fazer.

Deixo-vos agora algumas sugestões para as lancheiras:

E se quiserem optar por um dos dias, enviar pão, que é o que faço, podem sempre fazer este pão, que é delicioso.

Envio sempre uma peça de fruta.
E por vezes leite ou iogurte.
Nas férias dei-lhe a provar algumas bebidas vegetais, para substituir o leite e gostou.

Gostaram da primeira publicação desta rubrica? 
Partilhem também os lanches das vossas crianças.
Também preciso de ideias.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Organizar, planear e cozinhar - Inventário de congelação

No seguimento da publicação anterior desta mesma rubrica, segue-se mais um inventário, mas desta vez do congelador.
Eu disse que tinha vários inventários cá por casa.
São uma óptima ferramenta de organização.
E tal como referi anteriormente, são uma excelente ajuda para se tornar o processo da lista de compras e da ementa semanal mais prática.

Há algum tempo atrás, eu tinha um frigorífico pequeno, com um congelador mini.
É certo que sobrevivemos, mas a necessidade de o substituir, fez com que procurasse uma solução à medida cá de casa.
Eu faço sempre uma pesquisa intensiva quando preciso comprar alguma coisa, manias...
Principalmente quando são equipamentos para a casa.
Decidi comprar um que fosse só frigorífico e uma arca vertical com 7 gavetas.
Foi uma excelente escolha.

Voltando ao inventário do congelador.
Dividi cada gaveta para um tipo de produtos.

1ª Gaveta - Charcutaria no geral
                   Queijos

2ª Gaveta - Pão
                  Gelados

3ª Gaveta - Peixe
                  Marisco

4ª Gaveta - Carnes brancas

5ª Gaveta - Carnes vermelhas

6ª Gaveta - Legumes
                   Frutas

7ª Gaveta - Massas (folhadas, quebradas, etc.)


Tal como no inventário da despensa, fiz uma tabela no word, mas por gavetas.

E assim facilmente sabem o que têm no congelador.
Sem que por vezes andemos perdidas.

Se quiserem algum dos inventários, é só dizerem.
Eu envio-vos por email.



         


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Aquela receita de lombo inventada, que ficou deliciosa


Costumo fazer lombo de porco de outra forma, com laranja.
Mas não tinha laranjas em casa...
Resolvi improvisar com o que havia, sem olhar para nenhuma receita.
E o resultado não poderia ter sido melhor.
Ficou suculento e bastante saboroso, o que se quer para um tipo de carne, que por si só, é seca.
Mas podemos contornar a situação e modificá-la.
Havia sobras de arroz já feito para acompanhar e com o lombo no forno, pude fazer outras coisas.
É por isso que uso e abuso do forno.
E com a temperatura a mudar, sabe muito bem.

Ingredientes:

1 Lombo
2 Cebolas grandes
6 Dentes de alho
Azeite
Sal
1 C. Sopa de Orégãos
1 C. Chá de Louro moído
1 C. Sopa de Pimentão doce fumado
200ml de Vinho tinto
100ml de Vinho branco
50ml de Vinho do Porto

- Pré-aquecer o forno a 180º, na função ar forçado. Se o vosso forno não tiver esta função, coloquem na função de cozer de ambos os lados.

- Com a ajuda de uma mandolina, laminar a cebola e colocar no fundo de um recipiente que possa ir ao forno;

- Esmagar os alhos, com casca e colocá-los sobre a cebola;

- Regar com um fio de azeite;

- Colocar o lombo e temperá-lo com o sal, os orégãos, o louro moído e com o pimentão doce fumado;

- Regar com os vinhos e levar ao forno, cerca de 1h30m, mais ou menos;

- A meio do tempo, virar o lombo;

- Quase no fim do tempo, retirar o lombo e colocá-lo em cima da tábua para cortá-lo e deixar descansar um pouco, para que não perca a maior parte dos sucos da carne, 5 min.;

- Cortar o lombo em fatias e colocar mais 15 min..

Adoro criar esta cama de cebola nos assados no forno, torna a carne mais saborosa e confere-lhe mais humidade.







quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Umas panquecas diferentes no forno - Panquecas de agrião


Estas panquecas, para mim, resultaram na perfeição.
Nesta altura, a minha cozinha parece um laboratório.
Tenho andado em testes ao paladar da minha filha.
Para além das receitas habituais que costumo fazer para os lanches da pequena, quer aqui em casa, quer para levar para a escola, procuro sempre novas receitas.
E estas panquecas, são uma óptima sugestão.
Pela praticidade de transporte para a escola ou até mesmo pela rapidez com que as preparamos nos dias mais atarefados cá por casa, em que é necessário um lanche.
Nunca tinha feito panquecas no forno e gostei imenso do resultado.
A pequena não as apreciou assim de forma simples.
Mas contornei a sugestão, barrei uma com manteiga de amendoim e coloquei outra por cima.
E assim, adorou.

Ingredientes:

60g de agrião (talos incluídos)
1/2 Cháv. de flocos de aveia
1/2 Cháv. de farinha de arroz integral
1 Ovo caseiro (era de pata)
150ml de bebida vegetal de amêndoa
1 C. Sopa de açúcar amarelo

- Pré-aquecer o forno a 180º;

- No copo da yammi, coloquei todos os ingredientes e triturei até obter uma mistura lisa;

- No tabuleiro do forno, coloquei a base de silicone de ir ao forno, e distribui a massa. Cerca de 2 colheres de sopa para cada panqueca;

- Levei ao forno cerca de 20 min.;

- A meio do tempo, virei-as;

- Retirar do forno e podem ser servidas imediatamente.

Poderão servir simples ou acompanhadas a gosto.
Não ficam tão altas, como de modo tradicional.
Nem ficam tão húmidas.
Mas irei repetir com outras receitas de panquecas.



terça-feira, 12 de setembro de 2017

O tempo voa e já vão três meses...

Como já tem sido hábito, a cada mês faço um balanço das publicações mais visitadas.
Hoje faz precisamente 3 meses que comecei esta aventura.
E estou a adorá-la.
É bom ter-vos desse lado.
Têm-me dado alento para continuar, quer com as vossas visitas, os vossos comentários, as parcerias e os convites.
Mas acima de tudo, são os leitores e seguidores que têm permitido que esta aventura tenha longevidade.
E eu sou muito grata por isso.

Vamos às três publicações mais vistas:







Acho curioso que a primeira publicação se mantenha sempre nas publicações mais vistas.
Todas as publicações que fiz, faço e farei, são de todo confeccionadas, escritas e partilhadas com o coração.
Obrigada mais uma vez a cada um de vós!

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Na minha cozinha sem desperdício

Esta publicação é da autoria da Anna, do blog Veg'Aerial.
Este é o primeiro de muitos.
Pois a Anna fará mais publicações sobre o assunto aqui no Sabores do Ninho.
É uma pessoa muito especial para mim.
Há relações que não se conseguem expressar em palavras...
Há pessoas que entram na nossa vida e nos fazem muito bem.
Acredito que nada é por acaso.
Tudo tem um propósito...
Obrigada minha querida Anna, por este texto magnifico.
Por teres aceite o meu convite de imediato.
Por tantas vezes, mesmo sem tempo, estás ai...



Ter uma cozinha amiga do ambiente é cada vez mais fácil. Basicamente precisam de força de vontade e praticidade. Mas primeiro, lembrem-se - vivemos num mundo em que é impossível de o "zero" ser mesmo zero. Só o facto de respirarmos, já prejudica o planeta.
Mas podemos sempre melhorar a situação, ajudar o nosso planeta e ainda uma carrada de benefícios (acreditem que não vão encontrar nenhum maleficio nisto!).

Trago-vos, então, algumas dicas simples para que possam transformar a vossa cozinha numa cozinha "zero waste".

1. Substituir os guardanapos de papel por guardanapos de pano.
Não dá trabalho, ao contrário do que possa pensar. Cada membro da família ou morador da casa tem o seu pano, que pode marcar com a letra inicial, por exemplo, e obvio que não há necessidade de o lavar após cada uso (a não ser que fique mesmo muito sujo, o que não é comum). Pode, por exemplo, lavar todas as semanas, ou apenas quando reparar que está sujo. E pode ter alguns de reserva para visitas ocasionais. Simples, certo?
Poupa dinheiro, poupa as embalagens de plástico e ainda milhares de guardanapos de papel que, convenhamos, são desnecessários.

2. Substitua as toalhas de papel (o tipo rolo de papel) por panos de microfibras.
Estes panos são fantásticos, limpam em profundidade, podem ser usados tanto na cozinha como fora dela e duram imenso tempo. Experimente, e vai ver que não se arrepende. Basta ter alguns, que será suficiente (mas obvio, que tudo depende de cada um e de cada cozinha).

3. Invista em sacos reutilizáveis.
Tanto sacos para poder comprar legumes, fruta e outros, como sacos para transportar as compras.
Hoje, em Portugal, já há imensas lojas a granel próprias para isso, onde pode até usar frascos de vidro. Imagina o plástico que poupará?
Todos os supermercados o permitem, desde que consiga colar a etiqueta. Se tiver problemas, peça uma justificação (não acredite na "é contra a politica da loja" porque não é - se fosse assim, seria a mesma situação em todas as lojas da cadeia).  

4. Armazene a comida em frascos de vidro.
depois de começara comprar a granel, acredite que os frascos de vidro vão ser os seus melhores amigos! Mas não é só isso - qualquer comida pode (e deve) ser guardada em embalagens de vidro. Aguentam muito mais tempo no frigorifico ou despensa, o que irá diminuir o desperdício de comida (um problema muito comum, que também deve ser evitado!).

5. Para além de comprar a granel, como já referi, quando tal não é possível, opte por comprar embalagens maiores (isto caso a comida se conserve).
Por exemplo, leguminosas, cereais. Em vez de optar por comprar 1kg de arroz, compre um saco de 5 kg. Existem estas opções em quase todas as grandes superfícies!

6. Tenham em atenção a embalagem.
Obvio, que quando vão comprar algum alimento, devem focar-se no alimento em si. Masse tiverem a opção de a embalagem ser de plástico, ou de vidro, escoham a segunda. Pode ser mais caro, mas não vai ser o planeta a pagar por isso. Para além disso, o vidro pode ser reutilizado as vezes que quiserem, pode passar para a filha e a neta. O plástico? Para além de conter componentes nocivos para a saúde, que podem passar para a comida ou bebida que vai consumir (principalmente com calor - NUNCA consuma nada numa embalagem de plástico que esteve em contacto com o sol), as embalagens de plástico não serão reutilizadas mais do que uma dúzia de vezes. Obvio, que irá depender do tipo de plástico, e do tipo de cuidado. Mas mais tarde ou mais cedo, terá de ser substituído. E será abandonado, e demorará centenas de anos a desaparecer da face da terra.

Há imensas dicas que poderia dar mais. Mas sejam originais. Pensem que, o básico da filosofia do zero waste é a reutilização. Tenham isso em mente quando forem comprar alguma coisa. "Poderei reutilizar isto muitas vezes? Não haverá outra alternativa a esta embalagem?".
Muito simples! Há coisas mais básicas que poderão também fazer - trocar as garrafas de plástico por garrafas reutilizáveis (de preferência de vidro - uma ótima reutilização para quem compra polpa de tomate em garrafas de vidro), deixar de usar palhinhas - se tiver crianças, pode ser comprar palhinhas reutilizáveis; entre outros.

Há cada vez mais pessoas a serem conscientes em relação às suas escolhas, para que estas não tragam tantas consequências negativas. Seja uma delas :) A sua escolha vai influenciar o nosso futuro!!

Com amor,
Anna.

Gostaram da publicação? Deixem a vossa opinião nos comentários. Obrigada.